O fator “surpresa” chamado coração

razão-vs-emoçãoA Inteligência Emocional tornou-se fundamental e extremamente valorizada nos dias de hoje, pois a pessoa que possui QE (Quociente Emocional) elevado possui um diferencial competitivo.

Atualmente, existe uma necessidade real de integrar os aspectos afetivos e cognitivos no processo de desenvolvimento do potencial dos indivíduos.

 O controle das emoções é fator essencial para a otimização da inteligência e o alcance do próprio sucesso. Isso significa como a pessoa lida bem com suas emoções e sentimentos – de si mesmo e dos outros – diante de situações de estresse, conflitos, tensões ou pressões diversas. Uma pessoa emocionalmente inteligente sabe como controlar as suas angústias e ansiedades, para liberá-las na hora certa, com a pessoa certa e da maneira mais adequada possível. São pessoas que conseguem se acalmar quando estão nervosas, têm automotivação e uma razoável percepção de si e dos outros.

QE não é oposto de QI. Algumas pessoas são dotadas de ambos, e algumas com muito pouco de cada um deles.

O grande desafio é entender como eles se complementam. O QI– Quociente de Inteligência não muda: ou você tem um fator acima da média, ou você tem  na média ou abaixo da média. Você pode ser muito estimulado, desenvolver competências técnicas, mas seu QI não vai mudar de QI médio para QI elevado. Já o QE, você pode mudar e elevá-lo, ou seja, ser mais equilibrado e desenvolvido emocionalmente.

Daniel Goleman sugere que cerca de 1/3 das competências utilizadas nas empresas pesquisadas são técnicas, e 2/3 são competências emocionais.

No topo da organização (cargos mais estratégicos e gerenciais), a diferença aumenta para 4/5. Em ambas, a  proposta do pesquisador propõe cinco características principais relacionadas à Inteligência Emocional:

– Inteligência Intrapessoal (consigo mesmo): 

1) Autoconhecimento Emocional;

2) Autocontrole Emocional;

3) Automotivação.

– Inteligência Interpessoal (com as demais pessoas):  

4) Reconhecimento de emoções em outras pessoas – Empatia;

5) Habilidade em relacionamentos interpessoais – Sociabilidade

Sabemos na verdade que todos estes quocientes não funcionam de forma interdependente, todos eles com suas mais variadas especificações e atribuições, levam a cada um de nós a agir ora mais, ora menos, com objetividade, emoções e assertividade o que contribui de maneira direta para obtermos o sucesso em nossos empreendimentos.

O fim da empregabilidade e a valorização do trabalho têm exigido níveis cada vez maiores de especialização da parte de empresas e dos funcionários.

No cerne de todas essas mudanças, cresce a necessidade de uma profunda reformulação na maneira de ver a pessoa humana, que constitui o principal agente na estratégia para garantir o sucesso dos profissionais e a sobrevivência da organização em meio aos desafios da nossa época.

Manter-se consciente dos próprios sentimentos, permanecendo atento ao que se está sentindo, auxilia o desenvolvimento da integridade e leva a pessoa a descobrir satisfação no seu trabalho.

Igualmente importante é saber sintonizar com os sentimentos daqueles com quem nos relacionamos no ambiente profissional, procurando aprender a lidar com as divergências antes que elas cresçam.

Observe que pessoas muito influentes numa empresa não só têm consciência dos seus sentimentos como demonstram uma percepção intuitiva do que motiva seus chefes, colegas de trabalho e funcionários.

Seja você o agente de transformação !

Comece hoje, ou melhor, comece ontem !

Sucesso sempre…

Reflexão sobre um futuro “presente”

futuroOlhando para o futuro….

Em 1998, a Kodak tinha 170.000 funcionários e vendeu 85% de todo o papel fotográfico vendido no  mundo. No curso de poucos anos, o modelo de negócios dela desapareceu e eles abriram falência. O que aconteceu com a Kodak vai acontecer com um monte de indústrias nos próximos 10 anos – e a maioria das pessoas não enxerga isso chegando. Você poderia imaginar em 1998 que 3 anos mais tarde você nunca mais iria registrar fotos em filme de papel?

No entanto, as câmeras digitais foram inventadas em 1975. As primeiras só tinham 10.000 pixels, mas seguiram a Lei de Moore. Assim como acontece com todas as tecnologias exponenciais, elas foram decepcionantes durante um longo tempo, até se tornarem imensamente superiores e dominantes em uns poucos anos. O mesmo acontecerá agora com a inteligência artificial, saúde, veículos autônomos e elétricos, com a educação, impressão em 3D,  agricultura e empregos.

Bem-vindo à quarta Revolução Industrial!

O software irá destroçar a maioria das atividades tradicionais nos próximos 5-10 anos.

O UBER é apenas uma ferramenta de software, eles não são proprietários de carros e são agora a maior companhia de táxis do mundo. A AIRBNB é a maior companhia hoteleira do mundo, embora eles não sejam proprietários.

O FACEBOOK incorpora agora um software de reconhecimento de padrões que pode reconhecer faces melhor que os humanos.

Ao redor de 2020, a indústria automobilística completa começará a ser demolida.  Você não desejará mais possuir um automóvel.  Nossos filhos jamais necessitarão de uma carteira de habilitação ou serão donos de um carro.  Isso mudará as cidades, pois necessitaremos 90-95 % menos carros para isso.  Poderemos transformar áreas de estacionamento em parques.  Cerca de 1.200.000 pessoas morrem a cada ano em acidentes automobilísticos em todo o mundo. Temos agora um acidente a cada 100.000 km, mas com veículos auto-dirigidos isto cairá para um acidente a cada 10.000.000 de km. Isso salvará mais de 1.000.000 de vidas a cada ano.

A maioria das empresas de carros poderão falir. Companhias tradicionais de carros adotam a tática evolucionária e constroem carros melhores, enquanto as companhias tecnológicas (Tesla, Apple, Google) adotarão a tática revolucionária e construirão um computador sobre rodas.

Companhias seguradores terão problemas enormes porque, sem acidentes, o seguro se tornará 100 vezes mais barato. O modelo dos negócios de seguros de automóveis deles desaparecerá.

Os negócios imobiliários mudarão. Pelo fato de poderem trabalhar enquanto se deslocam, as pessoas vão se mudar para mais longe para viver em uma vizinhança mais bonita.

Carros elétricos se tornarão dominantes até 2020. As cidades serão menos ruidosas porque todos os carros rodarão eletricamente. A eletricidade se tornará incrivelmente barata e limpa: a energia solar tem estado em uma curva exponencial por 30 anos, mas somente agora você pode sentir o impacto. No ano passado, foram montadas mais instalações solares que fósseis. O preço da energia solar vai cair de tal forma que todas as mineradoras de carvão cessarão atividades ao redor de 2025.

Com eletricidade barata teremos água abundante e barata. A dessalinização agora consome apenas 2 quilowatts/hora por metro cúbico. Não temos escassez de água na maioria dos locais, temos apenas escassez de água potável. Imagine o que será possível se cada um tiver tanta água limpa quanto desejar, quase sem custo.

Se Você pensa em um nicho no qual gostaria de entrar, pergunte a si mesmo:  “SERÁ QUE TEREMOS ISSO NO FUTURO?” e, se a resposta for SIM, como você poderá fazer isso acontecer mais cedo? Se não funcionar com o seu telefone, ESQUEÇA a idéia. E qualquer idéia projetada para o sucesso no século 20 estará fadada a falhar no século 21.

Entre 70-80% dos empregos desaparecerão nos próximos 20 anos.  Haverá uma porção de novos empregos, mas não está claro se haverá suficientes empregos novos em tempo tão exíguo.

Existe um aplicativo chamado “moodies” (estados de humor) que já é capaz de dizer em que estado de humor você está. Até 2020 haverá aplicativos que podem saber se você está mentindo pelas suas expressões faciais. Imagine um debate político onde estiverem mostrando quando as pessoas estão dizendo a verdade e quando não estão.

O BITCOIN (dinheiro virtual) pode se tornar dominante este ano e poderá até mesmo tornar-se em moeda-reserva padrão.

Atualmente, a expectativa de vida aumenta uns 3 meses por ano.  Há quatro anos, a expectativa de vida costumava ser de 79 anos e agora é de 80 anos. O aumento em si também está aumentando e ao redor de 2036, haverá um aumento de mais de um ano por ano. Assim possamos todos viver vidas longas, longas, possivelmente bem mais que 100 anos.

Os smartphones mais baratos já estão custando US$ 10,00 na África e na Ásia.  Até 2020, 70% de todos os humanos terão um smartphone.  Isso significa que cada um tem o mesmo acesso a educação de classe mundial.  Cada criança poderá usar a academia KHAN para tudo o que uma criança aprende na escola nos países de Primeiro Mundo.

E você ?

Onde estará neste espaço de tempo futuro ?

O que tem feito para se reinventar ?

O que tem feito para antecipar o que é fato concreto e consumado ?

reflita…. Faça… Aconteça !

Sucesso sempre.

JC

Pense fora da caixa !

Com muita veemência venho repetindo a expressão :

Quer alcançar resultados diferentes ? Faça algo diferente.

Bem, não costumo replicar reportagens , mas , essa – em específico – me despertou .

O motivo ? Uma ação totalmente distoante do “core business” de seus idealizadores.

O recado ?

Bem, como não poderia deixar de ser :  PENSE DIFERENTE !

Sucesso Sempre !

Segue a íntegra da matéria :

O plano de Jorge Paulo Lemann e da consultoria Falconi para criar um campeão de tênis

São metas mensais, semanais e até diárias

A cada seis semanas, uma reunião de trabalho acontece na casa de Jorge Paulo Lemann, dono da AB InBev e atualmente o homem mais rico do país, em São Paulo. É o encontro regular dos conselheiros do Instituto Tênis, um centro para treinamento de atletas de alto nível, criado pelo empresário. Eles cumprem um ritual. Antes de começar as conversas, jogam um ou dois sets na quadra de saibro que Lemann mantém no quintal. Não raro, quando chegam ao casarão, por volta das 7h da manhã, ouvem do porteiro: “Podem entrar, o chefe já está batendo bola no paredão. Desde as 6h30”. Lemann, aos 75 anos, pratica o esporte quase diariamente. Foi em uma dessas reuniões, no início de junho, que Cristiano Borrelli, diretor-executivo do Instituto, apresentou ao grupo uma proposta inusitada: contratar uma consultoria de gestão empresarial, a Falconi, para fazer uma reviravolta no centro. O objetivo é atingir uma meta nada modesta: colocar um brasileiro no topo do ranking mundial até 2031.

Para quem não conhece a Falconi, cabe a apresentação: seu fundador, Vicente Falconi, é considerado o mais influente guru da geração que atualmente comanda os principais negócios do país. Entre as cem maiores empresas brasileiras, 77 são ou foram clientes dele. Governos de estados como Rio de Janeiro e São Paulo contaram com seus serviços para realizar “choques de gestão”. Se a Ambev se tornou conhecida pela cultura da meritocracia, deve boa parte disso ao consultor. Falconi foi a primeira pessoa de fora do negócio a se tornar conselheiro do grupo, nos anos 90, quando a companhia ainda era a Brahma. Até hoje, tem assento no conselho da Ambev e presta consultoria para a multinacional, assim como para outras empresas do grupo de Lemann, como a Heinz. O próprio conselho interno da Falconi, se olhado de perto, dá uma ideia do prestígio da grife: Edson Bueno (fundador da Amil), Beto Sicupira e Marcel Telles (sócios de Lemann) e Pedro Moreira Salles (do Unibanco, hoje Itaú). “Talvez seja a única instituição cujo conselho é formado por clientes”, diz Álvaro Guzella, um dos cinco sócios-diretores da Falconi.

Ainda que tenha atuado nos mais variados setores, é a primeira vez que a consultoria vai lidar com raquetes e bolinhas. Em julho, após a proposta ter sido aceita pelos conselheiros, Lucas Pinheiro da Silva Neto, um consultor da Falconi, começou a trabalhar em tempo integral no Instituto Tênis. (Para se ter uma ideia de quão incomum é a tarefa, a última missão de Neto tinha sido ajustar as contas de uma siderúrgica nos Estados Unidos.) No centro de treinamento, ele sequer tem uma sala, ou mesmo uma mesa – sua única arma parece ser o laptop. Tem feito reuniões, nas mesas do café, com cada profissional que estará envolvido no projeto. As conversas individuais, além de servir para explicar o plano, são também uma forma de vencer possíveis resistências. “Sempre que uma consultoria chega, tem gente que torce o nariz”, ele afirma.

A estratégia parece simples – pelo menos no papel. Tudo será baseado em metas e indicadores. Esse é o modus operandi da Falconi. A meta principal (“fabricar” o número 1) será decomposta em metas anuais, mensais, semanais e até diárias, de modo que cada pequeno passo leve ao destino final. Haverá indicadores para medir todas as obrigações dos atletas: físicas, nutricionais, pedagógicas e até técnicas e táticas. “Vamos imaginar que um deles rebateu 50% das bolas de backhand com a pisada correta do pé direito. Na semana que vem, esse índice terá de ser de 70%”, diz Borrelli. “Isso vai levar a metas maiores, como terminar o semestre entre os 200 melhores do mundo”, ele afirma.

Para colocar o plano em prática, o grupo vai lançar mão de uma metodologia usada em todos os projetos da Falconi. Chama-se PDCA. Nos anos 80, o professor Falconi, então consultor do setor de metalurgia e siderurgia, viu-se às voltas com uma dúvida: por que os japoneses tinham uma produtividade tão alta, se as máquinas eram as mesmas e as pessoas aqui também eram capacitadas? Resolveu atravessar o mundo para pesquisar in loco. Foi quando descobriu essa tecnologia de gestão – a sigla quer dizer Plan, Do, Check, Act. Planejar as mudanças, executar o plano, checar os resultados, agir sobre eles para ajustá-los. Sempre norteado por indicadores numéricos. Tudo muito cartesiano. “Nosso lema é: quem não mede, não gerencia”, diz Guzella. Até hoje, o PDCA é a base do trabalho da consultoria. A Falconi afirma que as metas dos clientes são alcançadas em aproximadamente 90% dos projetos.

No caso do Instituto Tênis, eles ainda estão na primeira fase: o planejamento. Para Neto, é a etapa mais importante. “Planejar é aquilo que deveria tomar mais tempo das empresas”, ele diz. Tão logo as metas sejam estabelecidas, os profissionais do Instituto – treinadores, fisiologistas, nutricionistas – passarão a ter a rotina guiada por elas. “Os indicadores serão integrados. Se a meta tática daquela semana for muito puxada, o pessoal da física e da nutrição vai trabalhar de forma a viabilizar isso”, diz Borrelli. Os atletas, como em uma boa meritocracia, também serão cobrados com base nelas. O trabalho todo, eles esperam, vai durar seis meses. Mas a ideia é que as “ferramentas” de gestão da Falconi passem a fazer parte da cultura do Instituto depois disso.

o momento, o tenista de maior destaque do país é Thomas Bellucci, que ocupa a 30ª posição entre os melhores do mundo. O catarinense Gustavo Kuerten, brasileiro que mais brilhou na modalidade, chegou a ficar 43 semanas no topo do ranking. No Instituto Tênis treinam 47 jovens talentos, com idades entre 11 e 18 anos. Alguns já despontam nos rankings internacionais, como Matheus de Almeida, de 14 anos, o 4º melhor da América do Sul na categoria até 14 anos. Entre as meninas, uma das promessas é Thaisa Pedretti, de 16 anos, a 70º no ranking global da categoria até 18 anos. “Eu disputei mais de 20 torneios internacionais neste ano”, ela diz. As viagens são bancadas pelo Instituto. A atleta também ganha uma bolsa em dinheiro e tem acompanhamento pedagógico para estudar online no tempo livre. Mas as regalias não são para qualquer um. Só valem para quem mostrar bom desempenho. Em uma palavra: meritocracia. “Minha meta é terminar o ano bem ranqueada o suficiente para entrar direto na fase de chaves do Australian Open, no início do ano que vem”, diz Thaisa. Ela ainda não sabe, mas logo as metas serão mensais, semanais e diárias.

Quando ouviu a ideia, naquela reunião de junho, Lemann reagiu com comedimento. Disse algo como “bacana, acho uma boa, vamos nessa”. Parece querer esperar para ver. É o estilo do empresário. “Lemann fala pouco, apenas observa e espera que a gente traga os resultados”, afirma Borrelli. Neste caso, é mesmo difícil prever o sucesso do projeto. Os clientes da Falconi normalmente vendem um produto, com o objetivo de obter lucro. Dessa vez, as metas não terão nada a ver com resultado financeiro e o “produto” será uma pessoa – se tudo der certo, um campeão. E uma pessoa, é claro, não é feita só de números e planilhas.

Pode ser, também, que funcione. Em 2010, o treinador Dave Brailsford assumiu o comando da equipe britânica de ciclistas de alto rendimento. O país jamais havia ganho o lendário Tour de France – e Brailsford queria mudar isso. O plano dele lembrava os métodos do professor Falconi. Brailsford definiu pequenos ganhos mensuráveis, que deveriam ser alcançados, um após o outro, em diferentes áreas do treinamento – nutricional, tática, física. O treinador afirmava que, se todas as metas fossem atingidas, o Reino Unido teria um campeão dentro de cinco anos. Estava errado. Três anos depois, Bradley Wiggins tornava-se o primeiro britânico a cruzar a linha do Tour em primeiro lugar. Resta saber se, no caso do tênis, a gestão “estilo Ambev” também será uma boa sacada.

Matéria originalmente na edição de setembro de Época NEGÓCIOS.

Coadjuvante ou Protagonista ? Você escolhe……

tumblr_lfbya19HWM1qcbx7oo1_500_largeQuem quer levar o desenvolvimento pessoal a sério precisa acreditar que está no comando da própria vida. Isso não significa, de forma nenhuma, que poderá controlar os acontecimentos à sua volta ; mas sim que terá controle sobre a própria percepção acerca de tais acontecimentos.

Quantos de nós já não tivemos uma impressão estranha acerca de nós mesmos sobre a nossa própria vida? Parece que perdemos as rédeas ou a condução da mesma, e que estamos ao acaso por nossa própria sorte e/ou pela sorte dos outros ou das circunstâncias.

Esta impressão na maioria das vezes apesar de estranha, é correta… Deixamos muito a desejar quando a habilidade de tomar decisões sobre nós mesmos não é adequada, ou mesmo quando continuamente tomamos decisões ruins, e de forma inconsciente, e não conseguimos acertar nossos alvos ou alcançar nossos objetivos.

Uma verdade que você tem de encarar é a que  sua situação atual é de total responsabilidade sua. Foi você mesmo quem conquistou seu próprio êxito ou que cavou seu próprio buraco. E é apenas você quem pode mudar a situação.Infelizmente, são poucos os que realmente assumem essa responsabilidade. Isso acontece porque o papel de vítima é muito mais confortável.

Não caia no erro de confundir atenção com amor. Garanto que sentir-se importante por conta dos seus feitos é muito mais prazeroso do que chamar a atenção por causa dos fracassos em sua vida.

A vida ensina o valor de cada coisa, e com o tempo a gente aprende… Aprende a sentir com suavidade e delicadeza o seu encanto; aprende a não desperdiçar nenhum instante de ternura e abraçar com coragem, tudo aquilo que ela derrama sobre a nossa existência, como um ato de amor e generosidade.

E, por fim :  Se a nossa vida é provisória, que seja linda e louca nossa história, pois o valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem.

Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.

Liberdade é ser dono da própria vida!

 Sucesso sempre….

Os cafés de cada dia ….

business-men-drinking-coffeeRecebi a indicação deste artigo de um grande profissional que conheço… De propriedade do CEO  da Imperative (plataforma tecnológica de multi culturas ) – Aaron Hurst – ele trata dos pilares básicos de construção de relacionamentos e sentimentos .

A satisfação no trabalho é baseada em torno de três fatores principais: os relacionamentos que você forma, o sentimento de realização frente ao impacto das atitudes e o crescimento generalizado .

Independentemente que seja o Primeiro dia , o dia 91, ou que complete 10 anos em uma organização : relacionamentos, impacto e crescimento são as chaves para o sucesso em qualquer posição, em qualquer nível. Desenvolvendo ativamente esses três fatores certamente a satisfação com o bem estar pessoal e profissional será atingido.

Aqui estão algumas idéias de como começar relacionamentos maximizando impacto e crescimento pessoal nos #primeiros90dias de seu trabalho.

Construa relacionamentos

Sua empresa contratou você porque apresentou uma boa qualificação para tal. Eles provavelmente também escolheram você porque o enxergam apto a posição .

Quanto maior sua pró-atividade na construção de relacionamentos no trabalho (de forma iminente e imediata), melhor será para você –  pessoalmente e profissionalmente.

Assim :

  1. Tome bastante café : Faça deste hábito – tomar café com uma pessoa por dia  – todos os dias do seu primeiro mês. Se possível faça a “gentileza” de pagar e exerça o tempo para entender o que seus colegas amam sobre o trabalho e a organização do qual estão inseridos .
  2. Características individuais :  Você provavelmente vai encontrar muitas (novas) pessoas no seu primeiro mês. Quando conhecê-las, anote seu nome e algumas características perceptíveis que se destacam. Isso irá ajudá-lo a construir relacionamentos rapidamente.
  3. Encontre pilares : Faça uma lista das pessoas na organização que você tenha encontrado empatia e que possam te agregar no sentido profissional e pessoal. Pessoas das quais a  energia própria tenha sinergia com sua personalidade.
  4. Comemore! :  Encontre uma maneira de celebrar publicamente os trabalhos e feitos de sua equipe. Não precisa ser no sentido literal da palavra, como fogos de artifício (rs). Pequenos detalhes e gestos, como um comentário em uma reunião ou um e-mail para o time, são cabíveis para tal.

Maximize o Impacto

Todos tem a oportunidade de causar impacto positivo na organização dia-a-dia . Você só precisa saber o “caminho das pedras”

  1. Saiba o porquê : Como você está iniciando em uma nova cultura, o foco deve ser em aprender não apenas o “como”, mas também o “porquê” de cada tarefa ou de cada projeto , além do tempo necessário para compreender o impacto da entrega na equipe e seus clientes. Não comece algo até que você tenha claro o “porquê” de sua necessidade.
  2. Esteja presente : Pergunte a si mesmo “O que posso fazer para minha empresa hoje?” E “O que os meus colegas / gestores / clientes precisam de mim hoje?” No início se faz necessário  oferecer novos insights à frente de uma tarefa ou simplesmente ser solidário com o seu colega de trabalho , pequenos gestos podem causar grandes impactos.
  3. Se doe : Encontre alguém que você possa orientar. Procure entender detalhes pessoais. Saiba mais sobre seus sonhos e aspirações. Mentores não tem que ser executivos ou gerentes, e sim entendedores do ser humano.

Cresça , Cresça , Cresça !

Cada novo trabalho tem uma curva de aprendizado. Alguns dias você pode se sentir sobrecarregado com novas informações, enquanto outros dias você pode sentir que é um profundo conhecedor e mestre de suas atividades. A busca  ativa e constante de  oportunidades de crescimento pessoal vai ajudar a mantê-lo e sentir-se envolvido , além de energizado. Não tenha dúvidas que isso é e será percebido por todos que o rodeiam.

  1. Procure aconselhamento e novos conhecimentos : Das pessoas que relacionar e estabelecer empatia mútua, busque conselhos e acompanhe o processo de “agir” imediatamente. Mostre que você é alguém que vale a pena investir e que as informações e conselhos recebidos são realmente foco de ação.
  2. Crie um contexto visual : Desenvolva em seu espaço de trabalho um visual marcante e que possa despertar nas pessoas curiosidade ou até lembrança. Algo que possa te tornar referência no ambiente de trabalho.
  3. Termine o dia com o pé direito : Exercite o ato de , ao findar de cada dia, partilhar com alguém fora do trabalho suas experiências(por exemplo, cônjuge, irmãos,amigos, etc.). O que te inspirou? O que você desafiou? O que fez você sorrir? O início dessas conversas com este propósito, pode ajudar seus colegas refletirem  sobre o seu próprio crescimento pessoal também.
  4. Lute veementemente contra o piloto automático : Talvez o mais importante ! Exercite a prática de sair do convencional. “Respire”ar puro (de preferência do lado de fora do escritório), pelo menos uma vez por dia , faça coisas inusitadas que possam te auxiliar no processo criativo, critique o modelo mental pré-existente.

E Lembre-se: nunca é cedo demais nem tarde demais para buscar o significado e o engajamento que você precisa. Como diz o clichê, hoje é o primeiro dia do resto de sua carreira. Faça mais a cada dia, faça diferente a cada dia !

Sucesso sempre !

JC

Como tomar decisões?

caminhos decisoesAlguns momentos definem o rumo de nossa vida. O vestibular. O casamento. O primeiro filho. Nessas horas, geralmente estamos diante de dois ou mais caminhos. E precisamos tomar uma decisão. Recorremos à lógica, às emoções, aos amigos, aos pais, a qualquer um com um pitaco a oferecer. E, enfim, escolhemos. Com um baita medo de errar.

Para nos levar à melhor alternativa, o cérebro tem um sistema capaz de esmiuçar dilemas. Esse sistema conta com 3 engrenagens, ativadas por qualquer escolha que apareça na nossa frente – pode ser algo que nos obrigue a mudar de cidade ou só a trocar a marca da margarina. Uma das engrenagens representa o desejo de chegar à conclusão mais lógica. Outra está ligada a tudo o que você já viveu e aprendeu. E a terceira tem a ver com seus antepassados.

Cada uma das 3 analisa as alternativas por um ponto de vista, mas nenhuma dá conta de resolver o problema sozinha. É como se o trio formasse uma banca de advogados. Individual­mente, cada engrenagem tem uma opinião, mas precisa apresentá-la às outras e convencê-las. Como acontece em qualquer discussão, alguma delas vai falar mais alto. E a banca apresentará o caminho a ser tomado, em conjunto. Pronto, está tomada a decisão.

Ainda que queira nosso bem, essa banca às vezes nos coloca numa enrascada. Mas dá para se prevenir. E o primeiro passo é conhecer essas tais engrenagens. Para isso, pedimos que você faça algo simples: escolha. Selecione o número da página pela qual quer começar esta reportagem. E vá seguindo nossas indicações. Garantimos, você não vai se arrepender.

(por Alexandre de Santi)

Link para o exercício :

http://super.abril.com.br/ciencia/como-tomar-decisoes-646534.shtml

Exerçam a capacidade consciente de calcular o impacto das decisões – seja ela emocional ou racional !

SUCESSO SEMPRE !

6 dicas para quem quer empreender em tempos de incerteza

images5A iminência das eleições presidenciais e os resultados econômicos ruins vêm deixando os brasileiros um tanto pessimistas quanto ao presente e o futuro do país. No entanto, para o argentino Hernán Kazah, cofundador do Mercado Livre, o empreendedor de verdade não deve se deixar esmorecer.

O Mercado Livre foi criado em 1999, na Argentina. No ano seguinte, um fenômeno conhecido como o estouro da bolha da internet fez o valor de mercado das empresas de tecnologia desabar e levou ao fechamento de várias companhias. Em 2001, a economia argentina passou por uma grave crise. “O golpe foi forte, mas com o foco na equipe, no produto e nos clientes, continuamos a crescer. Transformamos o mau momento em oportunidade”, disse Kazah no Day1, evento de empreendedorismo que aconteceu nesta quarta-feira (17/9), em São Paulo.

A resiliência do Mercado Livre culminou, em 2007, em ganhos de US$ 800 milhões a Kazah e seu sócio, Marcos Galperín, após a oferta pública inicial (IPO) da empresa na bolsa de valores americana Nasdaq.

A postura de Kazah pode ser útil aos brasileiros que não estão muito confiantes. Confira algumas dicas de gestão do argentino:

1.    Ideias não são tudo

O Mercado Livre foi criado para ser uma espécie de “eBay da América Latina” – ou seja, a plataforma nasceu como uma réplica de um modelo de negócio já existente. Kazah reconhece que não foi o único a ter uma ideia semelhante. “Havia umas 80 empresas fazendo o mesmo que nós, mas só o Mercado Livre sobreviveu. Isso mostra que o principal é desenvolver e executar. Uma ideia sozinha não leva a nada.”

 2.    Faça direito

Para o argentino, os empreendedores nunca devem “abraçar o mundo”. Ele afirma que tal impulso é comum, mas quase nunca benéfico – afinal, a vontade de fazer várias coisas ao mesmo tempo faz com que nenhuma delas seja bem executada. “Prefiro trabalhar em poucas frentes e entregar um resultado nota 10 a fazer mil coisas medíocres”, diz Kazah.

3.    Valorize o que realmente importa

De acordo com Kazah, uma empresa de sucesso tem um bom serviço, produtos e serviços de primeira linha e funcionários felizes – e é possível conseguir tudo isso, apesar do momento econômico de um país. “Superamos tudo ao focarmos na qualidade da plataforma, em satisfazer o cliente e em valorizar a equipe. Mesmo depois da ‘bolha’ e da crise, continuamos bem”, diz.

 4.    Não dê ouvidos aos pessimistas

Ao criar o Mercado Livre, Kazah teve de ouvir várias opiniões pessimistas. “Diziam que ninguém jamais compraria pela internet. Mesmo assim, continuamos trabalhando.” Depois, na época do IPO, havia gente dizendo que uma empresa latino-americana jamais teria sucesso em uma Bolsa americana. No entanto, os US$ 800 milhões da oferta inicial mostram que os críticos estavam equivocados. “A sorte é que não ouvimos ninguém”, afirma o argentino.

 5.    Não faça pelo dinheiro

Para Kazah, faturar alto não pode ser o principal objetivo de um empreendedor. “Do contrário, a pessoa fica rica e perde a vontade. O ideal é pensar que a meta é enfrentar desafios. Ao pensar assim, o dono de um negócio tem sempre um objetivo e não perde tempo reclamando”, afirma.

 6.    O fim é não ter fim

Depois de abrir o capital do Mercado Livre, Kazah poderia ter parado. Mas exatamente pelo desejo de enfrentar desafios, ele continuou na ativa e criou outro negócio: o fundo de investimentos Kaszek Ventures. “Empreender me deixa em um desconforto contínuo, e isso não é nada ruim. Me faz querer atuar em coisas novas. O principal fim do empreendedor é não ter fim.”

Por Adriano Lira

Lemann por Lemann : A conduta estratégica de um dos maiores empreendedores do mundo

Jorge Paulo Lemann - EXAME 1036Nascido em 1939, Lemann é formado em economia por Harvard. Dentre vários empreendimentos que detém, a  AB InBev –  maior cervejaria do mundo – é seu principal legado ( em conjunto com  Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira) .

Quando exerci funções comerciais na AMBEV ( por cerca de 2 anos ), não tive a oportunidade de conhece-lo pessoalmente, mas os homens de confiança do trio  Lemann, Marcel e Sicupira  naquela época –  Magim Rodriguez e Carlos Brito (hoje CEO da Cervejaria) –  exerceram muita influência sob minha visão de trabalho e ações efetivas em campo. Tive a oportunidade de me relacionar com ambos e,certamente, a linha de pensamento seguida reflete o pensamento estratégicos dos três líderes,e, em particular, de Lemman.

Abaixo estão seus princípios pessoais , estabelecido não só pela teoria aprendida em Harvard, mas pela prática auferida em sua carreira corporativa :

1.Saia da sua zona de conforto. Tendo vivido até então uma vida tranquila surfando em Copacabana e participando de torneios de tênis, o empreendedor precisou abrir mão dos seus hábitos diários para se adaptar a rotina pesada de estudos e esforço exigidos na prestigiada universidade americana.

2.Desenvolva um pensamento metódico/sistemático. Movido pela forte convicção de se formar em apenas dois anos, Lemann se viu obrigado a desenvolver um sistema em que fazia uma pequena pesquisa entre alunos que haviam passado pelas cadeiras e alguns professores buscando descobrir o tipo de perguntas que costumava aparecer nas provas de uma determinada matéria. Depois ia até os arquivos da Universidade e pegava os testes aplicados em outros semestres para estudar. Compreendendo que muitas perguntas eram repetidas, ele criou um método eficiente para passar de um dos piores alunos para um dos melhores em pouco tempo.

Procure desenvolver este tipo de mentalidade sistemática em seu cotidiano. Identifique o problema e utilize sua criatividade e experiência para criar um método capaz de solucioná-lo de maneira eficiente.

3.Tenha sonhos grandes. Aqui percebemos uma similaridade com o lema de do magnata americano Donald Trump, “Já que você vai pensar, pense grande”. É um completo desperdício de tempo ter sonhos pequenos.

4.Escolha as pessoas certas. Diz o ditado que nossos amigos são a família que a gente escolheu. Então seja seletivo, busque conviver com pessoas que tenham ideais próximos aos seus, que possam agregar na sua vida e complementar você de alguma forma. Esta mesma máxima vale na hora de encontrar sócios, formar equipes e contratar funcionários.

5.Tenha idéias para o longo prazo. Lemann fala da importância de ter mudado seu pensamento de imediatista, voltado apenas para o momento atual e para os resultados de curto prazo, para uma visão maior, ciente do poder que as grandes idéias têm no longo prazo. O senso comum costuma levar a um tipo de condicionamento que transforma as pessoas em pensadores de curto prazo, querendo as coisas agora e logo depois mudando de idéia, sempre inconstantes, voláteis e incoerentes. Desenvolvendo uma visão mais abrangente da vida, você acaba gerando idéias que só podem ser concretizadas no longo prazo e quanto mais você nutrir este tipo de pensamento, mais consistentes e sólidas serão suas conquistas ao longo do tempo.

6.Busque o simples. Segundo Lemann, as melhores teorias são sempre as mais simples. A simplicidade leva à eficiência e à profundidade. Quando você encontra algo complexo, sua mente tende a se perder entre a miríade de detalhes, o que gera ansiedade e falta de foco. Para resolver este problema, Lemann desenvolveu o método de manter seu foco nos resultados e sempre reduzir tudo a 4 ou 5 pontos essenciais. Dessa forma, divida seus planos em 5 metas essenciais, 5 pontos que precisam ser atingidos para concretizar o que você almeja.

7.Valorize a ética e a meritocracia. Dois importantes princípios que ao longo do tempo se mostram predominantes em todos os grandes Empreendedores de Sucesso. O homem que realiza o plantio com honestidade e diligência, colherá os resultados de acordo.

8.Assuma riscos. Esta última lição, não foi aprendida nos bancos da faculdade de Harvard, mas sim nas ondas do mar de Copacabana onde Lemann costumava surfar. Caso não tivesse se exposto, não tivesse assumido os riscos, ele jamais compreenderia que é surfar uma grande onda. Assim, quem opta pelo caminho da segurança e da estabilidade precisa se contentar com as pequenas ondas, divididas entre uma grande multidão de surfistas na praia.

Pense nisso !

Sucesso Sempre…….

O caso do Abacaxi !

abacaxi-fruta-cujo-nome-em-portugues-deriva-do-tupi-e-quer-dizer-fruta-cheirosa-1288823407231_615x300João trabalhava em uma empresa há muitos anos. Funcionário sério, dedicado, cumpridor de suas obrigações e, por isso mesmo, já com seus 20 anos de casa.

Um belo dia, ele procura o dono da empresa para fazer uma reclamação:
– Patrão, tenho trabalhado durante estes 20 anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado. O Juca, que está conosco há somente três anos, está ganhando mais do que eu e foi promovido para um cargo superior …ao meu.
– João, foi muito bom você vir aqui. Antes de tocarmos neste assunto, tenho um problema para resolver e gostaria de sua ajuda. Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi.

A contra gosto e até um tanto indignado pelo estranho pedido, o funcionário foi e voltou quase uma hora depois, pois havia aproveitado para fumar, tomar café na padaria da esquina e conversar com conhecidos que passavam.
Retornou e foi à sala do patrão:
– E aí João?
– Verifiquei como o senhor mandou. O moço tem abacaxi.
– E quanto custa?
– Isso eu não perguntei, não.
– Eles têm quantidade suficiente para atender a todos os funcionários?
– Isso também eu não perguntei.
– Há alguma outra fruta que possa substituir o abacaxi?
– Não sei, não…
– Muito bem, João. Sente-se nesta cadeira e aguarde um pouco.

O patrão pegou o telefone e mandou chamar Juca. Deu a ele a mesma orientação que dera a João:
– Juca, estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Vá até lá e verifique se eles têm abacaxi, por favor.
Juca partiu para cumprir a missão e, em oito minutos, voltou.
– E então? Indagou o patrão.
– Eles têm abacaxi, sim, e em quantidade suficiente para o nosso pessoal. Se o senhor preferir tem também laranja, banana e mamão. O abacaxi custa R$1,50 cada, a banana e o mamão são R$1,00 o quilo, e a laranja R$20,00 o cento. Mas como eu disse que a compra seria grande, eles me deram 15% de desconto. Aí, aproveitei e já deixei reservado. Conforme o senhor decidir, volto lá e confirmo – explicou Juca.

Agradecendo as informações o patrão dispensou-o. Voltou-se para João que permanecia sentado ali e perguntou-lhe:
– João, o que era mesmo que você estava me dizendo?
– Nada sério, não, patrão. Esqueça. Com licença.
E João deixou a sala.

Moral da história: Hoje, se quisermos ir mais longe, não podemos nos acomodar.
Não se acomode. Tenha paixão! Agarre toda a tarefa com unhas e dentes e faça o melhor possível. Não esqueça: não há tarefa chata; chato é não ter tarefas.

Recebi esta breve parábola de um integrante de minha equipe. Creio ser altamente providencial nos dias de hoje, onde, pró-atividade, inteligência e assertividade triangulam uma fórmula básica de sucesso !!!!

As 10 empresas mais admiradas do mundo, segundo a Fortune .

fortuneA capacidade de adaptar-se a um cenário mais competitivo, pautado pela Internet e pela velocidade de inovação, é hoje essencial para que uma empresa seja admirada A pesquisa anual feita pela Revista Fortune, responde a questão.

Desde 1997 a publicação americana consulta aproximadamente 3.800 respondentes, para que selecionem as 10 empresas que mais admiram. A pesquisa é feita em parceria com o Hay Group.

Veja, a seguir, quais são elas :

1º Apple

Pelo sétimo ano consecutivo a Apple lidera a lista das mais admiradas do mundo, tanto por ser a dona da marca mais valiosa do planeta, de acordo com a Interbrand, como por seu faturamento recorde – apenas no primeiro trimestre fiscal, a companhia teve lucro de 13,1 bilhões de dólares.

As inovações da companhia, e o desejo de consumo que elas geram, também pesaram na decisão. O iPhone e iPad da Apple tem lugar cativo no coração de muita gente, disposta a sustentar a política de preços da empresa e o prestígio dos produtos. 

2º Amazon

O gigante do varejo online Amazon.com subiu do terceiro pra o segundo lugar do ranking, graças à oferta de produtos de conveniência – e, principalmente, a entrega deles– para milhões de consumidores do mundo todo. A habilidade de logística e inovação da companhia é o que mais faz com que o mercado a admire.

Em dezembro, a Amazon anunciou que está testando a realização de entregas de encomendas via drones, veículos aéreos não tripulados. A expectativa é que seja possível levar o pacote para a casa do consumidor em apenas 30 minutos. 

3º Google

Apesar de ter deixado a segunda posição para a Amazon, o Google continua pensando em maneiras de deixar a vida das pessoas mais fácil – e, claro, de vender cada vez mais anúncios por meio de seus serviços. Em 2013, a empresa aumentou sua receita em 23% e comprou, entre outras coisas, um punhado de empresas de robótica, como a Nest

4º Berkshire Hathaway

Com Warren Buffett, o bilionário investidor e “Oráculo de Omaha” à sua frente, a Berkshire Hathaway é considerada uma das mais seguras apostas do mercado. A empresa de investimento, que tem participações em dezenas de empresas americanas icônicas, como a Heinz, comprada em parceria com a 3G Capital, viu seu lucro subir 26% no ano passado. 

5º Starbucks

Desde que abriu sua primeira loja de café em Seattle, a americana Starbucks passou a conquistar consumidores e territórios até se tornar a empresa onipresente de hoje. Graças em parte a essas fortes vendas globais e ao sucesso de bebidas sazonais, a Starbucks teve outro ano recorde de vendas em 2013 – apenas no primeiro trimestre fiscal americano a empresa registrou lucro de 540,7 milhões de dólares. 

6º Coca-Cola

Por mais que os americanos estejam travando uma guerra total contra a obesidade e, por sua vez, com bebidas açucaradas, a Coca-Cola está longe de perder sua importância, pela força da marca e pela expansão de negócios fora dos Estados Unidos. Tanto que a maior empresa de bebidas do mundo planeja investir mais de 4 bilhões de dólares na China entre 2015 e 2017 e ainda pretende adoçar seu negócio com bebidas mais saudáveis e consumidos na região, como sucos e leite de amêndoa.

7º Walt Disney

Depois de anos de produção de filmes decepcionantes, o Walt Disney Animation Studios acertou com Frozen. A animação musical, que estreou em novembro no exterior e no início de janeiro no Brasil, é um fenômeno de bilheteria mundial e já faturou 1 bilhão de dólares em bilheterias do mundo todo – o bastante para ser apontado como o musical que ultrapassará O Rei Leão em vendas. 

8º FedEx

Em uma era digital, cada vez mais pautada por compras pela web, não é nada fácil ser uma empresa de entrega de pacotes, não é mesmo? Não para a americana FedEx, que parece responder bem ao desafio.

Fundada em 1971, e até hoje com o mesmo presidente, a empresa teve um lucro de 500 milhões de dólares no ano passado, 14% superior ao ano anterior. Isso porque, enquanto empresas como a Amazon aumentam suas vendas, cresce também o desafio terrestre de fazer tais entregas e a FedEx está inovando o suficiente para se manter na liderança do setor

9º Southwest Airlines

Nos tempos de hoje, quando as companhias aéreas oferecem cada vez menos serviço para focar suas operações em preços, a Southwest segue com preços populares sem deixar de dar aos clientes “mimos” que parecem ter caído do céu, como uma política flexível para bagagens. A companhia tem experimentado 40 anos consecutivos de lucratividade e planeja agora aumentar os destinos que opera, com a inclusão de Aruba, Bahamas e Jamaica em seus roteiros. 

10º General Electric

Como o maior produtor mundial de motores para jato comerciais, bem como o criador da coleta de lixo, a capacidade da GE de criar é muito alta – e só aumenta. As receitas provenientes do segmento industrial da empresa subiram 12% no ano passado com o faturamento da área de aviação tendo crescido 16%. Executivos da GE também estão vendo um tremendo aumento nas encomendas de turbinas de energia eólica e térmicas. No total, pedidos de equipamentos bilionários subiram 81% no 4º trimestre.

Neste ano, a companhia já anunciou que gastará 10 bilhões de dólares em pesquisas de energia até 2020.

Por Tatiana Vaz