Archive setembro 2013

Superando o insuperável…..

conflitosConfesso que,  quando decidi escrever sobre este tema,  foi por todo o convívio com o “novo” que hoje estou a viver…..

A própria palavra “mudança” já causa um stress natural em nosso modus operandi. Seja de qual for a esfera ( pessoal, profissional ou sentimental), o desafio de superar concepções formadas ou pré-conceitos enraizados , será sempre intenso.

E, nesta seara repleta de ideais , uma constante insiste em imergir : Conflitos !

Obviamente o fato de abstrair sua existência é a maneira mais fácil de lidar com ele.

Porém, você já se fez esta pergunta :  Estou agindo no ” que ” ou estou agindo no “como” ?

Posso dizer por experiência própria, que, o aprendizado da vida consiste em duas grandes vertentes : aprendemos pelo amor ou aprendemos pela dor. Se, no processo do amor o aprendizado é mais prazeroso, sua absorção é mais difícil. Deter o “radar social” para compreender os fatos é um exercício que necessita uma enorme maturidade. Em contraposição, o aprendizado pela dor possui cunho mais traumático, porém, seu ensinamento perpetua e marca … talvez até pela eternidade.

Se posso conceder um conselho – pelas situações que já presenciei, aprendi e compartilhei-digo : Reflita cada vez mais em “como” lidar com as adversidades. Elas sempre existirão ! Quer você queira, quer você não… Saber que existem já é um bom sinal. Porém, admitir que pontos de vista distintos , percepções e sentimentos enaltecidos podem causar consequências irreparáveis, pode contribuir para seu processo de amadurecimento.

Não deixe a miopia do “que” (problema) ofuscar sua assertividade (“como”) em tratar a causa raiz. Se, todos os relacionamentos que temos, são provenientes de reciprocidade e vontade, esteja certo (a) que vêm acompanhados de desejos, anseios e afins. Muitas vezes todos estes elementos são opostos ao que você admite como correto. E, o que você admite como correto, é mesmo correto ? A resposta desta pergunta está em sua própria experiência de vida ( e de idas e vindas… de erros e acertos).

Adicione em seu repertório doses consistentes de paciência, reflexão, empatia e sabedoria.

O resultado ?

Bem, este prefiro que você mesmo me diga……

Sucesso Sempre !

Os conselhos da Starbucks para as pequenas empresas

STARBUCKS noticia_79486

O texto foi baseado no livro “Leading the Starbucks Way,” do autor Joseph A. Michelli, que fala sobre como um pequeno café se tornou um negócio que gera bilhões de dólares anualmente.

A jornalista da Times, Lauren Simonds, escreveu um artigo sobre o que há por trás do sucesso da Starbucks. O texto foi baseado no livro “Leading the Starbucks Way,” do autor Joseph A. Michelli, que fala sobre como um pequeno café se tornou um negócio que gera bilhões de dólares anualmente.

De acordo com Lauren, o livro consiste em uma análise das diferentes estratégias utilizadas pela Starbucks para construir o seu império e em como essas táticas podem ser adaptadas em diferentes tipos de negócios.

Veja abaixo os conselhos da Starbucks para pequenos negócios:

Paixão pessoal

O primeiro conselho dado pelo livro é: “foque em alimentar a paixão”. Você não consegue construir a lealdade do consumidor sem isto. Claro, ninguém consegue fingir uma paixão; os consumidores vão decidir isso. Você- e os seus funcionários – precisam amar os seus produtos e serviços para que os consumidores se apaixonem por eles.

A Starbucks se destacou por construir tradições, que conquistam a lealdade do consumidor e fazem com que as pessoas dividam esse sentimento. Faça uma reavalição do seu negócio e observe quais tradições você pode criar para capturar a paixão que você sentiu quando começou o seu negócio?

Conexão emocional

Starbucks oferece mais que um copo de café caro. Provoca uma experiência emocional: o retrato de um dia corrido, um lugar para conhecer amigos, um conforto, um destino diário. Essa imagem da empresa cria uma conexão emocional com os clientes, que trazem eles de volta para a loja a fim de repetir a experiência. Hoje, os consumidores querem sentir que a sua empresa se importa com eles. Agregue um valor emocional ao seu negócio.

Ofereça apoio à boas causas

Isso não significa abraçar qualquer causa que esteja fazendo sucesso ou ser controverso apenas para chamar atenção dos consumidores. A intenção é incorporar o seus princípios aos da sua empresa, se comunicar com autenticidade e garantir que as suas ações estão refletindo os seus valores.
Muitas empresas evitam se manifestar à favor ou contra certas questões por medo de perder consumidores. Mas fazendo isso, elas criam “pouca paixão” entre os consumidores, afirmou Michelli. STARBUCKS noticia_79486

O CEO da Starbucks, Howard Shultz, certa vez respondeu a um acionista que se manifestou contra a postura da empresa, que defende o casamento igualitário: “Nós empregamos mais de 200 mil pessoas nesta empresa, e nós queremos abraçar a diversidade. De todas as maneiras. Esse é um país livre e você pode vender suas ações para investir em outras empresas” disse Shultz. Para Michelli, essa coragem faz com que os consumidores se sintam parte do negócio.

Redação, Administradores.com,